Publicado 11/04/2019 13:44:25 CET

MADRID, 11 abr. (EUROPA PRESS) –

O sintoma mais comum de Parkinson é tremor, no entanto, há outros sinais como depressão, ansiedade ou distúrbio do sono, que podem ser mais incapacitantes, como destacou Leopoldo Cabrera, presidente da A Federação Espanhola de Parkinson (FEP), no âmbito da apresentação da campanha “Em 2040, a doença de Parkinson será a doença grave mais comum. Saber que é o primeiro passo para combatê-lo ', por ocasião do Dia Mundial do Parkinson.

O Parkinson é uma doença neurodegenerativa que afeta o sistema nervoso central de maneira crônica, progressiva e incapacitante, e cujas causas ainda são desconhecidas. Nesse contexto, o presidente da FEP destacou alguns dados sobre essa patologia para aumentar a conscientização sobre sua afetação.

Entre eles, Cabrera destacou que, como resultado do envelhecimento da população e hábitos de consumo, A maioria dos diagnósticos ocorre em pessoas com menos de 50 anos de idade. Por outro lado, indicou que na Espanha 160.000 afetados e 30 por cento destes vivem em populações de menos de 10.000 habitantes

Por seu lado, María Luisa Carcedo, Ministro da Saúde, do Consumo e da Assistência Social, tem destacou que há um ano há 10.000 novos diagnósticos da doença de Parkinson na Espanha e o número de pessoas afetadas no mundo chega a 7 milhões. Neste ponto, ele explicou que, se não houver progresso na pesquisa para conter essa patologia, em 20 anos chegará a 12 milhões de pacientes.

PESQUISA E COORDENAÇÃO, PRINCIPAIS PILARES PARA O DIAGNÓSTICO

A campanha 'Em 2040 O Parkinson será a doença grave mais comum. Saber que é o primeiro passo para combatê-lo ”, que tem sido apoiado pela Fundação ONCE, La Caixa, Medtronic, Boston Scientific, Abbvie, Bial, MSD e Zambón, tem como principal objetivo conscientizar sobre a prevalência desta doença e sua repercussão no futuro

Nesse sentido, o presidente da FEP ressaltou que não há uma análise diagnóstica clara, por isso ele pediu a pesquisa e coordenação pelos centros e instituições, uma vez que assegurou que isso, a longo prazo, significaria um custo menor, tanto para a saúde quanto para o trabalho.

Ele também enfatizou a "necessidade" de estabelecer centros de referência com equipes multidisciplinares em todas as comunidades autônomas, como é o caso. de Madri, cujo centro de referência é o Hospital Ramón y Cajal, para facilitar o acesso aos cuidados de saúde para os pacientes que não estão em seu município habitual. Além disso, destacou a importância da atenção primária e da fisioterapia no diagnóstico e tratamento dessa afetação.

No ato estavam presentes Luisa Carcedo, Ministra da Saúde, Consumo e Previdência Social; Leopoldo Cabrera, presidente da FEP; Anxo Queiruga, presidente da COEMFE, e Alicia Campos, diretora da FEP. Além disso, ele teve um show do mago Jorge Blass, que tentou trazer a doença para o público através de um jogo.

O presidente da FEP foi encarregado de encerrar a reunião com a leitura do Manifesto do Dia Mundial do Parkinson, no qual ele destaca que "o Parkinson se torna uma prioridade na agenda política e institucional, alocando os recursos necessários para combatê-lo".

Comentarios

comentarios