MADRID, 24 de julho (EUROPA PRESS) –

Converse com as crianças sobre o consumo de tabaco, sensibilize os seus efeitos nocivos, torne visível a força do vício, evite a pressão do grupo e promova a auto-estima. Na adolescência, eles ajudam a prevenir o tabagismo entre os jovens de casa, como destacaram especialistas da Haztúa Positive Psychology, a fim de evitar o início precoce e incentivar o abandono.

"importância" do diálogo e da criação de uma atmosfera de tranquilidade. Para isso, eles aconselharam perguntar abertamente sobre seu consumo. Da mesma forma, a internet e novas tecnologias tornaram-se um bom recurso para conscientizar sobre seus efeitos nocivos, entre os quais a cor amarela dos dentes, tosse crônica, aumento do AVC e câncer de laringe ou pulmão.

Por outro lado, eles recomendaram tornar visível a força da dependência do tabaco, uma vez que a maioria dos jovens acredita que eles podem controlar a "necessidade" de fumar e parar quando quiserem. É "importante" evitar a pressão do grupo, que geralmente é um dos principais pontos de partida, e promover a auto-estima. Para isso, eles recomendaram praticar a técnica do 'disco riscado', que consiste em responder negando cada pergunta e imitando possíveis cenários onde essas situações podem ocorrer.

Finalmente, eles enfatizaram para evitar ameaças e ameaças. punições quando o adolescente começa a fumar. Assim, concluíram que deveriam procurar o motivo de seu consumo e trabalhar nele

JOVENS, O GRUPO MAIS VULNERÁVEL PELO FATOR SOCIAL

Nesse contexto, Marta Sánchez Galiana, psicóloga de Haztúa Positive Psychology and Especialista em intervenção com adolescentes, ressaltou que o tabaco é considerado uma droga social, que faz parte do estilo de vida. No entanto, como consequência da proibição do fumo em espaços públicos fechados, seu consumo está diminuindo entre os adultos, sendo os jovens o grupo mais vulnerável devido ao fator social.

Atualmente, o tabagismo está entre os mais 11 e 14 anos, como explica o especialista. Isso ocorre como resultado dos grupos que facilitam seu consumo e das famílias que o toleram, da pressão social do grupo de amigos, da imitação e da sensação de ser mais adulto. Da mesma forma, fatores individuais como baixa auto-estima, gosto por descobrir novas sensações ou fracasso escolar, entre outros, podem ser destacados.

Por outro lado, o especialista enfatizou o uso de 'vaper' por causa de sua variedade de sabores, o que faz adolescentes não consideram seus efeitos tão prejudiciais. No entanto, "algumas das substâncias contidas no líquido vapor são propilenoglicol, glicerol, substâncias aromáticas e, em 90% dos casos, concentrações variadas de nicotina."

Como resultado desses dados, Haztúa Positive Psychology desenvolve uma série de apresentações sobre como evitar que os adolescentes fujam da psicologia com o objetivo de conscientizar e tornar visíveis os efeitos de seu consumo.

Comentarios

comentarios