O projeto do genoma humano começou em 1990. Tinha uma perspectiva de duração inicial de quinze anos, mas antes disso era possível completar a informação que se procurava. Em 2003, o grupo de pesquisadores declarou que eles haviam decifrado completamente a informação genética humana .

A iniciativa poderia ser classificada como a maior pesquisa da história. O orçamento que estava disponível e o número de diferentes países envolvidos faz dele um fato histórico único

Através da formação de um consórcio público internacional entre os Estados Unidos, Japão, China, França, Reino Unido, Alemanha e outros. países traçaram as linhas de pesquisa. A base do orçamento inicial era de três bilhões de dólares.

Juntamente com a iniciativa e o conhecimento científico envolvidos, o projeto do genoma humano foi possível graças ao desenvolvimento da bioinformática . Graças aos avanços no tratamento da informação biológica através de computadores capazes de reunir milhões de dados de DNA (ácido desoxirribonucleico), foi possível alcançar um bom resultado.

Em resumo, o projeto do genoma humano tinha os seguintes objetivos: [19659006] Identifique a totalidade dos genes que compõem o DNA humano

  • Guarde todas as informações obtidas
  • Estabeleça as formas e técnicas de análise dos dados de DNA.
  • Estabeleça os âmbitos legais e éticos do uso de DNA.
  • Repercussões do projeto genoma humano

    Obtenção de toda a informação genética de nossa espécie representa repercussões muito grandes para a humanidade, tanto no nível científico quanto no nível ético. E não podemos subestimar as repercussões legais da posse de tais informações.

    Em termos científicos, a informação do DNA é inestimável. A porta é aberta para a cura de doenças que antes eram impossíveis de tratar . Existe até um espaço para pensar a prevenção em termos genéticos, agindo antes do início da doença.

    Do ponto de vista ético, a questão da manipulação genética . Se a espécie humana conhece toda a informação do seu DNA, então é capaz de ser modificada através de processos artificiais. Os limites do natural e do provocado são apagados. É um conhecimento poderoso para ser bem e mal usado.

    Finalmente, do ponto de vista legal, o impacto legislativo é interessante. Leis que regulam o uso da informação do projeto do genoma humano devem ser passadas . O DNA de cada ser humano pode ser motivo de discriminação, já que é possível saber com antecedência quem terá deficiências ou alterações em um futuro não muito distante

    Engenharia genética permitiria reparar segmentos de DNA danificados

    Você pode estar interessado: O que é epigenética

    Aplicações médicas do projeto do genoma humano

    O projeto do genoma humano é uma notícia chocante para o mundo da medicina. As possibilidades de influenciar situações que antes eram um mistério são fabulosas. Comentamos as linhas de aplicação mais relevantes até agora:

    • Câncer: Com o conhecimento do DNA, é possível decifrar os mecanismos que desencadeiam o crescimento descontrolado de células neoplásicas. O ramo conhecido como engenharia genética seria capaz de reparar genes defeituosos para prevenir doenças.
    • Prenatal: Uma das grandes aplicações do projeto do genoma humano é a análise fetal na gravidez. Será possível saber, antes do nascimento, toda a conformação genética de um bebê, incluindo prever quais doenças ele irá desenvolver.
    • Efeitos adversos de medicamentos: com a informação do DNA humano seria possível realizar testes de drogas de uma maneira virtual, antes de seu lançamento e uso em humanos, para detectar possíveis efeitos adversos. Isso permitiria refinar e melhorar os medicamentos antes de tê-los disponíveis no mercado.
    • Clínica diária: Há também um aplicativo para essas informações no escritório. Com o DNA do paciente em mãos, os médicos poderiam estabelecer as tendências que a pessoa tem que adoecer a curto ou médio prazo. Os planos de ação podem ser planejados para reduzir ou evitar doenças generalizadas, como pressão alta ou diabetes.
    • Doenças raras: lista complexa de patologias de baixa incidência, ou seja, elas afetam muito poucos pessoas, beneficia da informação genética. A maioria dessas doenças está relacionada a alterações no DNA. Eles poderiam ser especificamente prevenidos ou tratados
     Cientistas aplicando o projeto genoma humano
    No consultório diário, os médicos poderão aplicar o conhecimento do genoma humano para identificar e tratar doenças.

    Continuar a informar: Quais são as doenças mais raras do mundo?

    Questões éticas

    Vários autores alertaram desde o início do projeto do genoma humano que é uma faca de dois gumes. É uma maravilha dos avanços científicos e uma ponte para perversar as práticas individuais e de negócios.

    Apenas nos Estados Unidos grande parte do orçamento do projeto foi dedicada ao financiamento de estudos científicos sobre problemas ética em torno da genética humana. Podemos intuir, então, que a preocupação existe

    Conhecer a totalidade da informação genética da espécie humana e desenvolver técnicas de manipulação poderia estabelecer uma normalidade. Isto é, poderia tender a definir o que é humano normal como genético e o que não é humano mesmo com o risco de declará-lo como um não humano.

    aceda a essa informação para negar cobertura a uma pessoa que esteja geneticamente em maior risco de ficar doente no futuro. Ou você pode negar um trabalho seguindo a mesma lógica. Mesmo negando o acesso à educação com base na premissa de que geneticamente tal criança ou jovem não estará apto

    Em conclusão

    Estamos diante de uma nova era que inaugurou o mundo da genética. Como todos os avanços científicos anteriores e atuais, são necessárias regras claras para seu gerenciamento e uma dose de humanidade. O projeto do genoma humano não pode se tornar um negócio, mas, ao contrário, uma oportunidade para nos tornar mais humanos

    Comentarios

    comentarios