Em pouco tempo parece que o coronavírus está em mutação e já temos novas variantes de Covid-19 que se somam às que já vimos da Dinamarca e ao que chamaram de espanhol e que infectou turistas que viajou ao nosso país durante o mês de agosto. Vamos ver algumas perguntas e respostas sobre as novas variantes ou cepas do coronavírus.

O que conhecemos melhor é o do Reino Unido, que se espalhou para outros países, incluindo a Espanha, onde já existem vários casos, mas também existem os de Japão que entrou no Brasil e o da África do Sul.

É normal que o vírus sofra mutação?

De acordo com os cientistas, é normal que ele sofra mutação e muitos mais são esperados para isso Em geral, os coronavírus devem ser estudados para aplicar um tratamento ou vacina que possa desenvolver imunidade contra todos eles.

São variantes mais contagiosas?

Em princípio e de acordo com estudos preliminares, parece que Essas novas variantes do Covid-19 podem ser mais contagiosas. Assim, acredita-se que a nova cepa do Reino Unido seja 50% mais contagiosa, embora inicialmente fosse dito que era 70%, mas essas estimativas estão caindo.

A da África do Sul também parece mais contagiosa porque agora é a cepa mais comum entre as pessoas infectadas neste país mas o quanto é desconhecido. O Japão também pode ser mais contagioso, de acordo com os últimos estudos. De qualquer forma, muitos testes estão sendo realizados para ver como essas novas cepas funcionam.

Elas são mais mortais?

Em princípio, os cientistas estabelecem que essas novas variantes não são mais mortais, mas ao mesmo tempo sendo mais contagioso, isso faz com que se espalhe mais rapidamente, aumentando os infectados e, ao mesmo tempo, os gravemente enfermos que podem morrer conseqüentemente, aumentando assim a mortalidade.

¿ As vacinas nos protegem contra essas novas variantes?

Embora em estudo, parece que a variante do Reino Unido pode ser protegida pelas várias vacinas que temos atualmente contra Covid-19. Também pode ser o caso dos outros dois, mas está sendo estudado. Os responsáveis ​​pela vacina que já se espalhou mais rapidamente no mundo, a Pfizer, explicaram que a vacina deve funcionar contra variantes que contenham certas mutações porque esta foi testada em laboratório. Mas existem muitas variantes e talvez nem tudo tenha sido estudado para dar uma resposta clara e concisa.

Como podemos lidar com essas novas cepas?

Não há mais nada a fazer a não ser continuar as restrições de cada país, use uma máscara, mantenha distância e lave as mãos.

É difícil saber e evitar essas novas variantes de Covid-19 em um país porque, embora haja controles e testes, os viajantes vão de um lugar para outro porque não há restrições aos voos de um país para outro. De acordo com a Agência SINC, restrições e vigilância fazem sentido como medida preventiva enquanto se aguarda mais informações, mas é necessário comunicar quando as cepas entram em um país e há casos para controlá-lo muito melhor.

As novas variantes podem afetar mais crianças e jovens?

No início, foi dito que a variante do Reino Unido poderia afetar mais as crianças do que as variantes anteriores, mas não há realmente nenhuma evidência científica e as últimas informações sugerem que isso não seria totalmente verdade. Além disso, tudo isso depende de cada cepa porque cada uma é diferente.

A Agência SINC indica que é um dos pontos sob investigação, porque a prevalência de coronavírus em crianças entre 2 e 11 anos de idade foi desencadeada nas últimas semanas em comparação com outras faixas etárias, especialmente no Reino Unido, onde esta variante está se espalhando mais.

Mas isso também pode ser devido ao fato de que as máscaras não são obrigatórias nas salas de aula de inglês e sabemos que as escolas podem espalhar a epidemia se as medidas adequadas não forem tomadas.

Essas cepas são responsáveis ​​pelo aumento de casos de Covid-19 na Europa?

Em alguns países, como Inglaterra, Alemanha e recentemente Portugal tem tido um aumento realmente exagerado de casos. E por isso teme-se que seja devido a esta nova cepa, por ser mais contagiosa. Mas pode haver outros fatores, como o relaxamento da cidadania devido às férias de Natal.

As vacinas trazem alguma luz, mas ainda não é o fim

Felizmente, já existem várias vacinas contra Covid -19 que saíram em tempo recorde. Os médicos recomendam sua administração por ser a única forma de derrotar esse vírus no momento, embora não se saiba por quanto tempo será eficaz. De qualquer forma, devemos ser proativos e continuar com as medidas restritivas mesmo que a vacina esteja próxima e já exista parte da população com as primeiras doses.

Comentarios

comentarios