Quarenta anos após o seu aparecimento, o HIV continua a ser um grande problema de saúde pública global. Este ano, sob o lema “Acabar com as desigualdades. Acabar com a AIDS. Acabar com as pandemias ”, a luta continua a se concentrar em chegar a 95-95-95: que 95% das pessoas infectadas saibam, que 95% delas estão em tratamento e, por sua vez, que 95% das pessoas em tratamento atingiram a carga viral indetectável.

A Sociedade Espanhola de Medicina de Emergência e Emergência (SEMES) e o Grupo de Infecções de Emergência (INFURG -SEMES), com o patrocínio da Gilead Sciences apresentou a nova campanha "Detecte o HIV a tempo" com o objetivo de combater a infecção, diagnosticar novos casos de HIV e destacar a importância da realização de testes sorológicos nos Serviços de Emergência.

Nesse sentido, os serviços de emergência dos hospitais desempenham um papel fundamental no diagnóstico precoce do HIV. Na Espanha, quase metade dos diagnósticos de HIV são tardios e 13% dos pacientes não sabem que estão infectados (infecção oculta). Além disso, estima-se que 1 em cada 3 oportunidades de diagnóstico são perdidas na infecção pelo HIV quando ocorrem nos serviços de emergência.

Com esses dados na mesa, diferentes especialistas na área de SEMES e INFURG-SEMES, insistem no importância institucional da triagem de HIV, a promoção de sociedades científicas para o diagnóstico, bem como a importância da colaboração com a indústria farmacêutica e a experiência na triagem de HIV no Departamento de Emergência.

Um papel fundamental

Nas palavras de Para os especialistas, o diagnóstico precoce ajuda não só o paciente, mas também a sociedade como um todo, pois, com o tratamento antirretroviral adequado e carga viral indetectável, o paciente deixa de transmitir a infecção. Na Comunidade de Madrid, graças à campanha anterior "Deixe a sua Huella", foram realizadas mais de 4.000 sorologias, das quais 2% estavam infectadas pelo HIV. Da mesma forma, foram evitadas em média 200 infecções.

O Dr. Juan González del Castillo, do Serviço de Urgência do Hospital Clínico San Carlos e coordenador da INFURG-SEMES comentou a respeito que « reafirmamos a importância dos Serviços de Emergência no diagnóstico precoce do HIV e queremos continuar a sensibilizar os colegas médicos de emergência sobre o assunto. Da mesma forma, o especialista lembrou que há pacientes cujo único contato com o sistema de saúde é o Pronto Atendimento e que, embora a solicitação da sorologia represente um pequeno esforço a mais em relação ao cotidiano dos profissionais, pode haver um grande impacto na saúde pública: “Não só diagnosticamos pessoas que vivem com HIV e melhoramos seu prognóstico e qualidade de vida, mas também evitamos infecções secundárias e, portanto, que a epidemia continue a se espalhar.”

Nesse sentido, os médicos apontaram que, por vezes, há pacientes que chegam ao pronto-socorro com problemas ou circunstâncias que indicam infecção pelo HIV: outros tipos de infecções sexualmente transmissíveis, profilaxia pós-exposição, síndrome de mononucleose, pneumonia adquirida ou portadores de herpes zóster em pacientes entre 18 e 65 anos de idade sem fatores predisponentes conhecidos.

Dr. Santiago Moreno, chefe do En Doenças infecciosas do Hospital Ramón y Cajal explicou que «esta campanha tem esta predisposição. Sensibilizar os profissionais que atuam nos Serviços de Urgência a realizarem, com freqüência, o teste de HIV em pessoas com alta probabilidade de contrair a infecção e, sobretudo, a solicitar a sorologia neste dia 1º de dezembro ». [19659010]

Comentarios

comentarios