o diagnóstico precoce É fundamental ser capaz de lutar contra o câncer. Mas, além disso, não devemos esquecer a necessidade de fazer importantes campanhas de sensibilização para que a sociedade se conscientize sobre a importância de ouvir e monitorar o corpo, bem como realizar exames periódicos de saúde para encontrar uma solução e combater o tempo. Este, sem dúvida, é um dos inimigos mais difíceis que qualquer tumor tem.

No nosso país, no entanto, e segundo os especialistas, ainda há um longo caminho a percorrer para atingir níveis óptimos que reduzam a taxa de mortalidade desta patologia. Por issoo Conselho Consultivo do OncoLAB –composto por representantes das principais entidades da área da oncologia – tem promovido Agora, soluções: um diagnóstico precoce para um melhor prognóstico, um documento que nasceu com o objetivo de alcançar, a partir de uma visão multidisciplinar, uma otimização do diagnóstico precoce do câncer na Espanha.

O documento mostra, entre outros aspectos, que as taxas de sobrevida aumentam significativamente quando o câncer é identificado no estágios iniciaisuma vez que o tumor pode ser removido cirurgicamente com técnicas menos invasivas, bem como tratado com medicamentos que reduzem seu tamanho.

Maiores taxas de sobrevivência com o tratamento precoce do câncer

(Clique para ampliar)

Agora, soluções: um diagnóstico precoce para uma melhor previsão, Nesse sentido, detalha uma série de propostas e soluções que nos permitem trazer diagnóstico precoce à população com o objetivo de detectar o câncer o mais cedo possível.

Não é um cenário trivial, pois veio a pandemia, o medo tomou conta de muitas pessoas que não se aproximaram dos espaços hospitalares por medo do contágio. Desta forma, o diagnóstico precoce tem sido condicionado pelas dificuldades presentes nos momentos mais difíceis da crise sanitária e, por isso, limitações muito importantes para avaliar sinais e sintomas de suspeita de câncer por telemedicina ou devido ao acesso limitado a exames complementares.

o Dr. Candela Callediretor do Conselho Consultivo da OncoLAB, explica que a pandemia “centrou quase totalmente toda a atividade sanitária”, razão pela qual, defende o especialista, “já precisamos de um reforço na detecção precoce do cancro, pois poderá ser a forma mais eficaz forma de garantir o tratamento rápido e eficaz dos doentes».

E, além disso, destaca a importância do tempo: «Estamos perante um trabalhar contra o relógio contra a doença porque quanto mais cedo estivermos cientes de sua presença, mais possibilidades haverá de curá-la. Por esta razão, a partir do Conselho Consultivo OncoLAB analisamos os diferentes deficiências e necessidades do Sistema Nacional de Saúde para respondê-los. Daí, desta análise, nasce este documento».

Também destaca que, embora os programas de prevenção e rastreamento, bem como circuitos de diagnóstico rápidoforam retomados com certa normalidade, sim há atrasos nas consultas após o Covid-19 que gera consequências negativas em muitos pacientes com câncer. Por esse motivo, hoje, diz a OncoLAB, estamos muito longe de alcançar a detecção precoce ideal de tumores.

O impacto da pandemia em pacientes com câncer

Números de câncer na Espanha 2022 elaborado pela Society of Medical Oncology (SEOM) também detalha que diagnóstico precoce reduziu a mortalidade por câncer em 24% em homens e 19% em mulheres nos últimos 20 anos. Além disso, e de acordo com o mesmo relatório, durante 2020 apenas um em cada cinco casos de câncer havia sido diagnosticado na Espanha, ou seja, apenas 20%.

Também, e na mesma linha, o Grupo Espanhol de Doentes com Cancro (GEPAC) assegura que quatro em cada 10 pacientes acometidos por câncer não acessaram o circuito de saúde ou viram seu tratamento atrasado e, durante o primeiro pico da pandemia, novos encaminhamentos para esses pacientes diminuíram 37%.

Depois desses números, Anna Rodríguez, coordenadora do estudo Agora, soluções: um diagnóstico precoce para um melhor prognóstico, defende que a colaboração público-privada é também fundamental para resolver “as deficiências que o Sistema Nacional de Saúde apresenta em termos de detecção precoce do cancro”.

Em relação a este último, o documento também destaca a importância de promover medidas eficazes de promoção da saúdereorientar os processos de atendimento para reduzir o tempo de espera desde a suspeita até o primeiro atendimento ou promover o atendimento presencial na Atenção Primária para avaliação de sintomas e suspeitas.

Apresentação com o apoio de todos os agentes de saúde

Agora, soluções: um diagnóstico precoce para um melhor prognóstico foi apresentado por Rua da Veladiretor do Conselho Consultivo, e Ana Rodrigues, seu coordenador. A apresentação foi também acompanhada por personalidades da saúde de renome como a Dra. Marina Pollán, directora científica do CIBER de Epidemiologia e Saúde Pública do Instituto de Saúde Carlos III (ISCIII); Marta Moreno, Diretora de Assuntos Corporativos e Acesso ao Mercado da AstraZeneca, empresa por trás da iniciativa OncoLAB.

Além de Begoña Barragán, presidente do Grupo Espanhol de Pacientes (GEPAC); Dr. Belén Pérez-Mies, secretário da Sociedade Espanhola de Anatomia Patológica (SEAP) ou Dr. Aurora Rodríguez, chefe do Serviço de Radioterapia Oncologia do Hospital Ruber Internacional de Madrid e membro do Conselho de Administração da Sociedade Espanhola de Oncologia Radioterapia (SEOR), entre outros.

Comentarios

comentarios