A timpanoesclerose é uma das muitas condições de ouvido que podem causar sérios problemas ao paciente que sofre com isso. É uma doença que se desenvolve por uma infecção no ouvido. Ocorre semelhantemente a otite, por exemplo. Em geral, geralmente é uma sequela desses tipos de condições; isto é, corresponde ao estágio mais avançado destes.

Quando a timpanosclerose aparece, manchas esbranquiçadas na membrana timpânica são observadas. Estes geralmente bloqueiam a cadeia ossicular, o que impede a correta transmissão do som. A timpanosclerose é tratada com antibióticos, embora possa ser necessário, às vezes, realizar cirurgias . Neste artigo, nós explicamos tudo isso e muito mais.

Sintomas de timpanoesclerose

Os sintomas que as pessoas com timpanoesclerose sofrem são muito semelhantes aos que têm otite. O principal sinal é uma dor aguda e intensa que pode ser acompanhada por uma sensação de tamponamento.

Como os sintomas são muito semelhantes aos da otite o paciente não é capaz de determinar bem se você está sofrendo dessa infecção ou da doença que estamos falando

Realizar um exame físico do ouvido é a única maneira de diferenciá-los. Só então você poderá ver as manchas esbranquiçadas na membrana timpânica. No entanto, além de dor e manchas, o paciente pode sofrer de outros sintomas, tais como:

  • Febre
  • Zumbido ou zumbido nos ouvidos
  • Vertigem
  • Oftalmia (isto é, expulsão) de líquido purulento através do canal auditivo externo)
  • Irritabilidade emocional

Antes do aparecimento de qualquer um desses sintomas, é extremamente necessário consultar o médico o mais rápido possível. Desta forma, a condição pode ser tratada o mais rapidamente possível e evitar que se torne timpanoesclerose. É conveniente dizer que esta é uma condição permanente e muito prejudicial para a audição.

Você também pode querer ler, também: Por que nossos ouvidos produzem cera? Como eles fazem isso

Causas

Como dito antes, esta doença é devido a uma infecção no ouvido que atinge o seu estágio mais avançado Nós insistimos que esta situação é irreversível para a pessoa. Existem várias situações que convergem, no entanto, para que uma infecção no ouvido se desenvolva dessa maneira.

Por um lado, o tímpano é obstruído como resultado da infecção. Isso condiciona que a cavidade timpânica vê seu volume reduzido consideravelmente. E isso é algo que geralmente ocorre devido à presença de algum tipo de tecido cicatricial.

Por outro lado, a infecção que afeta o tímpano é prolongada ao longo do tempo . Esta é a causa da presença de manchas esbranquiçadas na membrana timpânica, que geralmente são observadas no exame médico antes do diagnóstico.

Não é que todas essas situações tenham que coincidir ao mesmo tempo. Simplesmente que um deles sofre já é muito provável que sofra desta doença.

Se você estiver interessado em mais informações, recomendamos a leitura de: 8 soluções naturais para aliviar otite ou inflamação das orelhas.

Tratamento da timpanoesclerose

Como observado anteriormente, a timpanoesclerose é geralmente causada pela recorrência de episódios de otite. Ou, por não tratar adequadamente esse tipo de infecção. Por essa razão, é essencial atender o mais cedo possível qualquer sintoma daqueles descritos acima. Para reverter a otite, é necessário tomar um antibiótico, que deve ser indicado por um médico opcional

Quando a otite atinge o estágio mais avançado da infecção, a perda auditiva que ocorre como resultado da timpanoesclerose é irreversível. Em vista disso, o recurso restante é o uso de aparelhos auditivos. Assim, o paciente poderia recuperar a qualidade auditiva.

 Timpanosclerose.

Por outro lado, a melhor maneira de evitar essa situação é controlar o aparecimento de otite. Para isso, é importante não sofrer mudanças bruscas de temperatura . A higiene também é muito importante. Claro, não use cotonetes ou outros objetos que possam danificar o canal auditivo.

Em vez disso, use de protetores auriculares. Além disso, é importante secar bem as orelhas após o banho em piscinas caso contrário, favorece o surgimento de infecções como a otite externa.

  • Ba Huy, P. T. (2005). "Otite Média Crônica, História Natural e Formas Clínicas", EMC-Otorrinolaringologia, 34 (2): 1-27.
  • Flores Carmona, E; Contreras Molina, P., e Sánchez Palma, P. (2015). "Exploração física do ouvido". Em livro virtual de treinamento em otorrinolaringologia Málaga: SEORL-PCF
  • Gurr, A., Hildmann, H., Stark, T. et al. (2008). "Tratamento de timpanoesclerose", ENT, 56: 651.
  • Stenstrom, J. S. (1979). "Deformidades do ouvido". Em Grabb, W., C., Smith, J. S. (ed.), Cirurgia Plástica. Boston: Little, Brown e Co.

Comentarios

comentarios