Experimentos precisos revelaram pela primeira vez como a doença de Lou Gehrig, ou esclerose lateral amiotrófica (ELA), progride no nível genético e celular. O trabalho abre novos caminhos para desenvolver tratamentos potenciais para a doença, que afeta cerca de 450.000 pessoas em todo o mundo.

Comentarios

comentarios